O que posso fazer? » Bonito, Mato Grosso do Sul. A capital brasileiro do Ecoturismo

Bonito, Mato Grosso do Sul. A capital brasileiro do Ecoturismo



 

A cidade de Bonito, no Mato Grosso do Sul é, talvez, o primeiro destino brasileiro que nos vem à cabeça quando falamos de Ecoturismo. Localizada a cerca de 1.200 km de São Paulo, 1.600 km do Rio de Janeiro, 1.000 km de Curitiba e 1.800 km de Belo Horizonte, a viagem vale a pena!

 

Bonito é uma cidade preparada para o turismo, possui ruas bem cuidadas e decoradas, com boas opções de hospedagem, restaurantes e compras. Dentre as muitas atrações turísticas da região podemos destacar:

 

Abismo Anhumas

Gruta do Lago Azul

Parque Ecológico Baía Bonita – Aquário

Recanto Ecológico Rio da Prata

Rio Sucuri

Passeio de Bote pelo Rio Formoso

Ilha do Padre

Boca da Onça

Balneário do Sol

Balneário Municipal

Buraco das Araras

 

-> Veja a segunda matéria sobre os atrativos de Bonito e região <-

 

Estradas da região Centro Oeste

 

Mas o grande destaque de Bonito é que a cidade conseguiu, através do turismo, melhorar a qualidade de vida de seus moradores. Através de um trabalho em conjunto entre a iniciativa pública e privada, a cidade é hoje um grande exemplo de como o turismo pode, ao mesmo tempo, ser benéfico para a comunidade local e não prejudicar o meio ambiente.

 

Na década de 90, após uma avaliação dos impactos do turismo em cada atração turística da região e a capacidade de recomposição da natureza nestes locais, foi estabelecido um número máximo de turistas que podem visitá-las.

 

Esta é a melhor forma de permitir que a natureza desses locais seja preservada e tenha tempo de se recompor, fazendo com que esses pontos turísticos não sejam destruídos e possam receber turistas por um longo tempo.

 

Para exercer tal controle, em 1995 o Conselho Municipal de Turismo criou o Voucher Único, a ser usado por todos os prestadores de serviços turísticos da cidade. Além de limitar a quantidade de turistas a um número que cada atrativo pode suportar, o voucher possibilitou um melhor controle tributário e estatístico do turismo na região, e trouxe mais credibilidade entre consumidores, prestadores de serviço e empresas.

 

Balsa que atravessa rio na região

 

Trouxe também mais facilidade para os turistas, já que todos os passeios e transporte podem ser agendados no próprio hotel.

 

Dados mostram que a atividade turística é a grande responsável pela evolução do PIB na região, observando uma evolução da ordem de 72% do ano de 2000 para o ano 2004.

 

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) no ano de 1991 era 0,675, já em 2000, o IDH representava 0,767, significando um aumento de 14%, ocupando o 18º lugar em relação aos municípios de Mato Grosso do Sul. Mais um grande salto de qualidade de vida proporcionado pelo turismo.

 

Nesse período, nota-se uma queda de 47% da mortalidade infantil e uma expectativa de vida 8% maior. Também houve um aumento de 19% no índice de educação.

 

Fonte: Secretaria Municipal de Turismo

 

Bonito é um ótimo, talvez o melhor, exemplo brasileiro de que o turismo bem planejado pode trazer benefício a todos os envolvidos, inclusive ao meio ambiente. Mas não podemos deixar de relatar a inexistência de incentivo ao desenvolvimento da cultura local. Hoje em Bonito, têm-se muito poucos atrativos relacionados à cultura do povo local.

 

 

As atrações de Bonito

 

 

 

Flutuação no Rio da Prata

 

Dentre as varias opções de turismo em Bonito, a flutuação no Rio da Prata é a mais famosa de todas, e não é por menos.

 

A flutuação acontece na propriedade Recanto Rio da Prata, uma propriedade privada localizada em Jardim, cidade vizinha à Bonito. Na propriedade os turistas são recebidos pelos guias locais, que passam todas as informações necessárias antes do passeio e também fornecem os equipamentos de segurança necessários.

 

Da sede da fazenda os turistas são levados até o inicio da trilha que chega a nascente do Rio Olho D´água, onde se inicia a flutuação.

 

Chegando a nascente, o grupo recebe as instruções de como utilizar os equipamentos de segurança e como o passeio deve ser feito. O destaque é que os grupos são de no máximo nove pessoas e os turistas são proibidos de tocar no fundo do rio ou nos animais.

 

Fazendo o passeio desta forma, flutuando, os impactos ao meio ambiente do rio são drasticamente reduzidos.

 

São cerca de quatro horas de passeio, e as águas transparentes que permitem a visualização dos peixes e plantas da região são recompensadoras. No final do passeio retorna-se a sede da fazenda, onde se tem a opção de um saboroso almoço rural.

 

 

Além da flutuação, o Recanto Ecológico oferece outros passeios, como passeio a cavalo, mergulho no rio da Prata, observação de aves e passeio de estudo do meio.

 

Veja mais sobre o passeio em www.riodaprata.com.br

 

-> Veja a segunda matéria sobre os atrativos de Bonito e região <-

 

 

Thiago Cagna – Consultor EcoHospedagem

 

Ir Para Topo Da Página

Deixe seu comentário também!

Comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.