Temas Variados » Como evitar a propaganda enganosa!

Como evitar a propaganda enganosa!



Empresa sustentável!? Vamos com calma… Não são algumas poucas ações que transformarão seu hotel, pousada ou resort em um empreendimento sustentável! Cuidado ao fazer propaganda se auto-intitulando sustentável, deixe essa escolha para os turistas…

greenwashing_maquiagem_verde2

 

Muitos empreendimentos do setor de turismo (como de outros setores também) utilizam indevidamente a palavra sustentabilidade, ecoturismo, ecohotel, ecoresort e outras similares. Às vezes por desconhecimento do real significado dos termos, mas em outros casos aproveitam-se da confusão e da “novidade” da sustentabilidade no Brasil para fazer propaganda enganosa, dizendo fazer coisas que não realizam ou ainda exagerando as ações socioambientais que realmente adotam.

 

O termo usado para descrever estas empresas é a “maquiagem verde” (greenwashing), que já citamos no post “Hotel ecológico X Hotel sustentável X Greenwashing”, mas que podemos resumir em realizar uma propaganda enganosa que confere atributos “verdes” inexistentes ou não comprovados a produtos, serviços ou marcas.

 

Uma forma de evitar ser enganado pela “maquiagem verde” é procurar no site do empreendimento e em outros sites (Google, blogs e similares) notícias sobre as ações sustentáveis do hotel. Empresas que possuem ações socioambientais realmente relevantes são destaque em vários tipos de mídias. E caso visite um empreendimento que se diz ser sustentável, mas não é, divulgue! Participe de nosso fórum e nos ajude a incentivar os empreendimentos honestos e desmascarar os empreendimentos que tentam nos enganar.

 

Antes de viajar veja em nosso cadastro os hotéis que realizam muitas (e boas) ações socioambientais (veja nosso mapa) ou em nosso case do mês alguns hotéis que se destacam, e não se esqueça de cobrar que os hotéis passem a adotar praticas sustentáveis! (veja aqui ações básicas que os hotéis podem implementar)

 

O relatório The Sins of Greenwashing, realizado pela consultoria TerraChoice Environmental Inc., listou os sete pecados do greenwashing (maquiagem verde). Segundo o estudo de 2010, em um ano o número de produtos que se dizem verdes subiu 73%. (Veja mais sobre o estudo)

 

Visando impedir a distorção ou uso indevido do termo sustentabilidade, no mês de Junho de 2011 o Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) divulgou as novas normas para a publicidade que contenha apelos de sustentabilidade.

 

O CONAR é uma organização não-governamental que visa promover a liberdade de expressão publicitária e defender as prerrogativas constitucionais da propaganda comercial e tem como missão Impedir que a publicidade enganosa ou abusiva cause constrangimento ao consumidor ou a empresas (Fonte: www.conar.org.br/).

 

Com isso as empresas que antes realizavam apenas uma ou outra ação socioambiental, não poderão mais se dizer “sustentáveis” e a partir de agora serão punidas por isso.

 

Tendo em vista que não existem compensações plenas, que anulem os impactos socioambientais produzidos pelas empresas, a publicidade não comunicará promessas ou vantagens absolutas ou de superioridade imbatível. As ações de responsabilidade socioambiental não serão comunicadas como evidência suficiente da sustentabilidade geral da empresa, suas marcas, produtos e serviços.”

(Fonte: Artigo 36 do Código – Anexo U – Apelos de sustentabilidade)

 

Mas porque essas normas são tão importantes?

 

Em 2010 o instituto Ethos e a Akatu realizaram a pesquisa “O Consumidor Brasileiro e a Sustentabilidade: Atitudes e Comportamentos frente o Consumo Consciente, Percepções e Expectativas sobre a RSE”,  que nos trouxe as seguintes informações:

 

– 84% dos brasileiros não ouviram falar, não entendem ou definem errado o conceito de sustentabilidade;

– 16% têm algum conhecimento ou acertaram a definição do tema.greenwashing_maquiagem_verde


No entanto:

– Entre dois produtos com preços e qualidade semelhantes, 71% dos consumidores brasileiros levariam o produto que estivesse associado a alguma causa social. A média mundial é de 43%.

 

 

 

Dados da mesma pesquisa mostram que três a cada quatro consumidores desconfiam das informações prestadas pelas empresas. 44% dizem não acreditar em nenhum tipo de informação e 32% dizem que acreditam nas informações dependendo da empresa.

 

A mesma pesquisa ainda mostra que 29% dos brasileiros procuram repassar ao maior número possível de pessoas informações sobre empresas e produtos e entre o grupo dos consumidores engajados com a sustentabilidade, esse percentual sobe para 64%.

 

Por isso é tão importante que aja uma regulamentação para evitar que empresas utilizem-se indevidamente do termo sustentabilidade.

 

(Fonte: www.akatu.org.br/Temas/Sustentabilidade/Posts/Conar-define-normas-para-combater-greenwashing-na-propaganda- e www.institutoethos.blogspot.com/2011/06/conar-estabelece-normas-para.html)

 

 

 

“É papel da Publicidade não apenas respeitar e distinguir, mas também contribuir para a formação de valores humanos e sociais éticos, responsáveis e solidários. O Conar encoraja toda Publicidade que, ao exercer seu papel institucional ou de negócios, também pode orientar, desenvolver e estimular a sociedade objetivando um futuro sustentável”.

(Fonte: site Conar)

 conar_sustentabilidade_0

“Na pagina inicial do site do Conar existe um espaço para denunciar propagandas

que utilizem erroneamente o termo sustentabilidade. Vamos agir!”

 

Vale ressaltar que o Conar dá diferente significado a “Publicidade da Responsabilidade Socioambiental e da Sustentabilidade” e a “Publicidade para a Responsabilidade Socioambiental e para a Sustentabilidade” e ai pode estar a oportunidade para hotéis que queriam mostrar seu comprometimento com a sustentabilidade.

 

Para o órgão a publicidade para a responsabilidade socioambiental e sustentabilidade é aquela que orienta e incentiva a sociedade, a partir de exemplos de práticas responsáveis e sustentáveis de instituições, empresas, suas marcas, produtos e serviços, deixando assim espaço para que as empresas falem de suas ações, mas com ênfase em incentivar o publico a adotá-las em seu cotidiano.

É uma ótima forma de incentivar as pessoas positivamente e ainda mostrar seu trabalho!

 

As normas citam que a publicidade que aborda o tema sustentabilidade deve citar apenas benefícios socioambientais concretos e já adotados, evitando conceitos vagos e mais abrangentes do que realmente os são. (Concretude) – Enfim não fale ou deixe a entender que seu empreendimento faz mais do que realmente faz. Caso esteja se referindo a uma ação que esta no começo ou que ainda irá realizar, deixe isto bem claro.

 

Tenha meios para comprovar as ações socioambientais anunciadas e de preferência disponibilize-as para seus clientes (Internet, Sac e etc.) (Veracidade)

 

Utilize linguagem de fácil entendimento, não induzindo a interpretações errôneas. (Exatidão e Clareza)

 

Apenas anuncie o que você pode provar com dados ou através de fontes externas (dados fornecidos por terceiros). (Comprovação e Fontes) – Por exemplo, quando anunciar que seu hotel possui um programa de compensação de emissão de gás carbônico, utilize uma empresa confiável para realizar a compensação.

 

Se seu empreendimento realiza apenas o básico, isto é, o que esta previsto em lei (como preservar matas ciliares), não use isto como uma ação sustentável. (Pertinência)

 

Como já citado acima, não se intitule sustentável se você faz apenas algumas ações ou se estas não possuem grande influencia sobre seus produtos principais e sobre a sociedade. (Relevância) – de que adianta realizar plantio de árvores se seu empreendimento vende cigarros?

 

A publicidade não deve comunicar promessas ou vantagens absolutas ou de superioridade imbatível, ninguém é 100% sustentável. (Absoluto)

 

Quando for realizar marketing relacionado a causas, explicite claramente a(s) causa(s) e entidade(s) oficial (is) ou do terceiro setor envolvido(s) na parceria com as empresas, suas marcas, produtos e serviços. (marketing relacionado a causas)

 

Veja a publicação oficial do Conar sobre o tema.

 

 

Thiago Cagna. Consultor EcoHospedagem. Dezembro/2011

 

Comentários sobre este post? Clique aqui.

 

 

Ir Para Topo Da Página

Deixe seu comentário também!

Comentários



Uma Resposta para Como evitar a propaganda enganosa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.