Melhores Práticas » Incentivos governamentais ao turismo sustentável

Incentivos governamentais ao turismo sustentável



Confira algumas linhas de crédito e programas governamentais exclusivos para empreendimentos que atuam no setor turístico e que desenvolvem ações de sustentabilidade.

 

A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, defendeu hoje que sejam dados incentivos fiscais para organizações e projetos que valorizem práticas sustentáveis. Ao visitar a micro-organização Bioware, que produz máquinas que transformam resíduos orgânicos, como bagaço e palha de cana e até casca de arroz, em combustíveis e carvão. Marina falou da necessidade de se transformar “boas práticas” como essa em políticas públicas. A organização campineira nasceu a partir de estudos desenvolvidos pela Universidade de Campinas (Unicamp). “O que ela [a organização] precisa? Incentivos. Precisa de apoio para ganhar escala, produzir e baratear custos. E precisa de um investimento fundamental: a consciência”, disse a candidata.

http://www.investimentosenoticias.com.br/especiais/eleicoes-2010/marina-quer-isencao-tributaria-para-organizações-sustentaveis.html

 

 

Crédito BNDES

 

Instrumentos da Política Socioambiental

logo-bndesPara cumprir seu papel como propulsor do desenvolvimento sustentável, o BNDES dispõe de uma série de mecanismos, que vão desde a análise criteriosa dos impactos sociais e ambientais de qualquer projeto apoiado financeiramente ao financiamento à investimentos que gerem benefícios diretos sobre a qualidade ambiental e a diminuição das desigualdades sociais e regionais no país.

Além das ações internas que buscam o comprometimento e a capacitação dos empregados, os instrumentos adotados para implementar e perseguir os objetivos da Política Socioambiental podem ser resumidos nas seguintes iniciativas:

1. Seus produtos, linhas, programas e fundos reembolsáveis e não reembolsáveis para apoio financeiro a iniciativas e investimentos em Meio Ambiente e em Desenvolvimento Social e Regional;

2. Resoluções setoriais, políticas específicas e outros normativos;

3. Procedimentos internos de avaliação de risco e de análise social e ambiental de beneficiários e de empreendimentos; e

4. Os Guias Socioambientais, metodologias de avaliação de beneficiários, de avaliação de risco de crédito e de monitoramento e avaliação de impacto dos empreendimentos apoiados.

Acordos e protocolos dos quais o BNDES é signatário, o compartilhamento de informações e experiências por meio de canais de diálogo e a divulgação das ações socioambientais do Banco também contribuem para a execução da Política Socioambiental.

O BNDES desenvolveu ainda um conjunto de diretrizes da Política Socioambiental, que norteiam seu compromisso com a promoção do desenvolvimento social e ambientalmente sustentável.

Fonte: www.bndes.gov.br

 

 

“Apoio a Projetos de Eficiência Energética – PROESCO”

 

Empreendimentos apoiáveis:

Intervenções que comprovadamente contribuam para a economia de energia, aumentem a eficiência global do sistema energético ou promovam a substituição de combustíveis de origem fóssil por fontes renováveis.

 

Dentre os focos de ação possíveis, destacam-se os seguintes:

  1. Iluminação;
  2. Motores;
  3. Otimização de Processos;
  4. Ar comprimido;
  5. Bombeamento;
  6. Ar condicionado e ventilação;
  7. Refrigeração e resfriamento;
  8. Produção e distribuição de vapor;
  9. Aquecimento;
  10. Automação e controle;
  11. Geração, transmissão e distribuição de energia;
  12. Gerenciamento energético;
  13. Melhoria da qualidade da energia, inclusive correção do fator de potência;
  14. Redução da demanda no horário de ponta do consumo do sistema elétrico.

 

Itens financiáveis

  • Estudos e projetos;
  • Obras e instalações;
  • Máquinas e equipamentos novos, fabricados no país, que constem do Credenciamento de Fabricantes Informatizado (CFI) do BNDES;
  • Máquinas e equipamentos importados, sem produção nacional e já internalizados no mercado nacional, observado que:
    • Para unidades de valor até R$ 400 mil, a comprovação de inexistência de produção nacional será realizada de forma autodeclaratória pelo beneficiário.
    • Para unidades de valor superior a R$ 400 mil e para unidades do segmento de geração de energia, a comprovação de inexistência de produção nacional será realizada mediante apresentação de parecer de entidade com reconhecida expertise; e
    • Os financiamentos de máquinas e equipamentos importados estão limitados a R$ 20 milhões para esta linha.
  • Serviços técnicos especializados;
  • Sistemas de informação, monitoramento, controle e fiscalização.

 

Clientes

  • Organizações de Serviços de Conservação de Energia – ESCO;
  • Usuários finais de energia;
  • Organizações de geração, transmissão e distribuição de energia.

Fonte: www.bndes.gov.br

 

 

“BNDES Automático – Condições especiais para o setor de hotelaria”

 

Os empreendimentos relacionados à cadeia de hotelaria têm condições especiais no âmbito do BNDES Automático.

Enquadram-se nessas condições os projetos relacionados ao setor de hotelaria, enquadrados na Classificação Nacional das Atividades Econômicas (CNAE) do IBGE conforme códigos I 5510-8/01, I 5590-6/01 e I 5590-6/02, inclusive os custos relacionados à emissão de certificações de eficiência energética e/ou construção sustentável, excluídos os serviços de consultoria, e condicionados à apresentação do Certificado de cadastramento da Beneficiária no cadastro nacional de prestadores de serviços turísticos do Ministério do Turismo – CADASTUR a ser extraído pelo Agente Financeiro no site www.turismo.gov.br.

Fonte: www.bndes.gov.br

 

 

Em Janeiro de 2010 o governo lançou uma linha de credito de R$ 1 bilhão (através do Mtur e do BNDES) para reforma, ampliação e construção de novos hotéis visando a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. O detalhe dessa linha de crédito são os conceitos de Hotel Padrão, Hotel Eficiência Energética e Hotel Sustentável, com regras diferentes para cada categoria. O governo espera, ao oferecer condições mais favoráveis aos projetos que levem em conta a sustentabilidade ambiental, conseguir o comprometimento ambiental do setor hoteleiro.

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) criou em janeiro de 2010 o projeto ProCopa Turismo, visando investimentos na área hoteleira para a Copa do mundo de futebol de 2014. Da verba emprestada, até agora quase R$ 200 milhões se destinaram a projetos hoteleiros com melhorias ambientais.

 

O ProCopa Turismo foi dividido em duas categorias, para eficiência energética e sustentabilidade ambiental. São elas:

 

  • BNDES ProCopa Turismo Hotel Eficiência Energética: Voltado para hotéis que obtenham certificação de eficiência energética nível “A” dentro do Programa de Eficiência Energética nas Edificações. www.bndes.gov.br

  • BNDES ProCopa Turismo Hotel Sustentável: Voltado para empreendimentos que obtenham certificação no Sistema de Gestão da Sustentabilidade para Meios de Hospedagem. www.bndes.gov.br

 

As duas versões do programa serão fiscalizadas e credenciadas pelo Inmetro. E quanto mais pré-requisitos o empreendimento tem, melhores condições de financiamento ele terá.

Já são três empreendimentos que contam com o programa: Reforma do Hotel Glória e construção de duas unidades Íbis (todos no Rio de Janeiro). A soma dos financiamentos chega a R$ 178,5 milhões. Mas já existem projetos de todas as regiões do país que estão em análise.

Via M&M Online

Fonte: eco4planet.com

 

Outras linhas de crédito

1 – Nossa Caixa

FIP – Meio Ambiente: financiamento voltado para melhorias no processo de produção e na prestação de serviços, para atender a legislação ambiental, garantindo maior sustentabilidade, e a redução dos impactos no meio ambiente de seus empreendimentos e projetos;

FIP – Energia: destinado à redução do consumo de energia e para a utilização de energias alternativas;

Linha Verde: financiamento de projetos de pequenas e médias organizações que proporcionem a redução das emissões de gases de efeito estufa no meio ambiente. Com taxa de juros de 6% ao ano, a Linha Economia Verde será destinada a projetos de organizações na área de agroindústria, mudança de combustíveis, saneamento, tratamento e aproveitamento de resíduos, energias renováveis, eficiência energética, transporte, processos industriais, recuperação florestal em áreas urbanas e rurais e manejo de resíduos. O financiamento do projeto é de 100%, e o prazo é de cinco anos para o pagamento, com até um ano de carência.

http://www.Agência.fapesp.br/materia/11925/noticias/linha-de-credito-verde.htm

 

2 – Santander

O grupo Santander o lança projeto-piloto “Turismo Sustentável – Juntos faremos diferença” na cidade de Gramado (RS). O foco desta primeira fase são os meios de hospedagem. Três linhas de crédito diferenciadas (Santander Giro Premium, Compror Santander e Santander Reforma Acessível), que cobrem valores até R$ 10 mil, sendo a última parcela grátis para Giro Premium; pagamento a fornecedores (folha de pagamento Santander, facilidades no cartão de crédito e domicílio bancário); gestão e expansão, por meio do Super Cash e treinamentos sobre responsabilidade social e sustentabilidade. Para adquirir o recurso, o empresário precisa apresentar um projeto sobre as mudanças ou implementações que pretende fazer em seu negócio. O banco irá analisar a proposta e, sendo aprovado, a instituição financeira repassará o recurso pleiteado diretamente à organização ou às organizações que vendem os materiais necessários e que irão fazer o serviço.

http://ecoviagem.uol.com.br/noticias/turismo/turismo-sustentavel/santander-financia-projetos-de-turismo-sustentavel-11694.asp

 

3 – Bradesco

O Bradesco disponibiliza 33 linhas de crédito socioambientais para públicos específicos, que totalizam uma carteira de recursos aplicados de R$ 2,05 bilhões. Entre elas estão linhas para clientes que queiram adquirir aquecedores solares e cadeiras de rodas e crédito para organizações que desejam obter uma certificação florestal, por exemplo. Em 2009, lançou o CDC MDL-Carbono, financiamento destinado a organizações que pretendem contratar projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) junto a consultorias especializadas no assunto.

 

 

Thiago Cagna – Consultor EcoHospedagem

Deixe seu comentário também!

Comentários



3 Respostas para Incentivos governamentais ao turismo sustentável

  1. WANDERLEI R QUEIROZ JR diz:

    OLA!! SEREI BREVE NESTA MENSAGEM. GOSTARIA DE SABER COMO OBTER PATROCINIO, INVESTIMENTO E/OU FOMENTO FINANCEIRO PARA PROJETOS NA AREA DE TURISMO, ISTO DA FORMA MAIS ABRANGENTE POSSIVEL, DESDE INSTITUIÇOES PUBLICAS COMO PRIVADAS. SE PUDEREM ME AUXILIAR NA QUESTAO DESDE JA FICO NO AGUARDO DE RETORNO O MAIS BREVE. OBRIGADO!!

  2. gostaria de saber como devo encaminhar um projeto pro banco em que linha de credito eu enquadraria para construção de uma pouzada em areá rural prosimo da cidade com passeio de cavalo pesque solte
    obrigado

    • Caro Valter, para tais informações é necessário contatar as instituições bancárias de sua região. No Portal apenas citamos as existentes, para para detalhes é necessário contatar estas instituições.

      Thiago Cagna
      Portal EcoHospedagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.