Temas Variados » Segunda parte da matéria: Urubici uma das cidades mais frias do país e com presença de neve anualmente

Segunda parte da matéria: Urubici uma das cidades mais frias do país e com presença de neve anualmente



 

Em parceria com a agência de Turismo Tekoá, com sede em Florianópolis e que trabalha com opções de roteiros de turismo rural, turismo comunitário e ecoturismo em todo o Brasil, o Portal EcoHospedagem traz duas matérias contando mais sobre um dos roteiros mais bonito (e ainda desconhecido) do Brasil.

 

Confira AQUI a primeira parte de nossa viagem para Urubici

 

No 3° dia, após um reforçado café da manhã, pegamos nosso kit piquenique, enquanto o Sr. Eraldo preparava os cavalos. Em seguida iniciamos nossa cavalgada saindo do Arroio com destino a Cachoeira de Vacarianos. Foram cerca de uma hora e meia antes de se chegarmos as furnas do Rio de águas cristalinas entourado por grandes e belos paredões de Rocha onde avistamos a magnífica queda. Degustamos nosso lanche-colonial enquanto o Sr. Eraldo nos falava sobre o passado da região e a luta dos imigrantes alemães recém chegados com os selvagens índios da região. Tomamos banho nas águas frias do rio antes de retornar ao Arroio. Como o sol estava para se por, fizemos uma parada no Morro do Campestre, deixamos os cavalos na base e subimos a pé a montanha para assistir a um belíssimo pôr do sol.

 

 

O jantar do 3° dia foi realizado no Sitio Sete Quedas, vizinho ao Arroio e também pertencente à Acolhida. Gerido pela Dona Nilva, excelente cozinheira de pratos regionais, como Gemüse, moranga caramelizada, polenta, tortelle, farofa de pinhão, entre outros, ela costuma receber grupos de até 40 pessoas para cafés e almoços.  Sua propriedade possui uma seqüência de Sete Quedas, repletas de poços de água cristalina, acessadas por uma trilha de 1800mt de fácil acesso, e que são um convite ao banho em dias de quentes. Além desta beleza natural a família produz maçã, mel, geléias, pães, biscoitos e bolachas. Após o jantar fizemos o pernoite no Arroio.

 

No ultimo dia após o café da manhã, arrumamos nossos pertences e nos despedimos da família Israel. Saímos para nosso último passeio, rumo ao famoso Morro da Igreja com seus 1822 metros de altitude e a magnífica formação da Pedra Furada que somente podem ser avistados quando não há neblina no alto da Serra. O Morro da Igreja fica localizado no Parque Nacional de São Joaquim, criado em 1961 e conta com uma área de 49 mil hectares. Área de Conservação de grande importância, ele protege além de áreas remanescentes com Matas de Araucárias, nascentes de importantes rios como, por exemplo, o Rio Pelotas. Sua formação geológica remonta a 133 milhões de anos e é composta por rochas vulcânicas do tipo basalto e por arenito. De lá também é possível avistar a famosa Pedra Furada. No caminho de volta fizemos uma parada na Cascata Véu de Noiva, antes de retornarmos a Florianópolis.

 

Essa viagem foi muito excitante no sentido de nos fazer conhecer os principais atrativos desta bela cidade que se desponta como um dos principais destinos ecoturisticos do sul do Brasil. Hospedar-se e fazer as refeições em propriedades integrantes da Associação de Agroturismo Acolhida na Colônia completou a nossa viagem, pois pudemos vivenciar o modo de vida da comunidade local, composta em sua maioria por agricultores, colhendo frutas frescas no pé, tirando o leite da vaca, ouvindo historias locais e degustando os deliciosos pratos típicos feitos em fogão a lenha. Esperamos poder proporcionar o mesmo para vocês ecoturistas que procuram por verdadeiras experiências em suas viagens.

 

Confira AQUI a primeira parte de nossa viagem para Urubici

 

Este roteiro foi narrado e é oferecido pela agência de Turismo Tekoá, que atua com roteiros de turismo comunitário, turismo rural e ecoturismo em todo o Brasil. O roteiro acima possui opções a partir de R$ 400,00 por pessoa, com alimentação, estadia e passeios já inclusos.

 

 

Fernanda Carasilo, Proprietária da Agência de Turismo Tekoá

 

Contribuíram com esta publicação

Revisão e edição de texto – Nathalia Pereira, Jornalista – www.nathaliapereira.com

 

Ir Para Topo Da Página

Deixe seu comentário também!

Comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.